Pastor resiste à ordem de fechar igreja na China: “Deus concede o direito de adorar”

Autoridades da província chinesa de Guizhou invadiram igreja evangélica com documentos que pediam seu fechamento.

No domingo, 30 de junho, autoridades da província chinesa de Guizhou invadiram a Igreja Evangélica da Reforma Sion durante o culto. Os oficiais submeteram os fiéis a inquérito e confiscaram alguns bens da igreja.

Quando solicitado a assinar documentos oficiais que pediam o fechamento da igreja, o pastor Zhu Jieheng escreveu nos papeis que “Deus concede o direito de adorar”.

Com isso, o pastor quis demonstrar que a igreja não estava sujeita à mentalidade e ao trabalho das autoridades, e que a Igreja de Guizhou se mantém firme contra o assédio por parte do regime comunista chinês.

Segundo relatos, o pastor Zhu recebeu um aviso de retificação e reforma do Escritório Municipal de Assuntos Étnicos e Religiosos de Kaili. Autoridades dizem que a organização de eventos religiosos na igreja viola os regulamentos.

Segundo a ChinaAid, as autoridades em toda a China operam frequentemente para fechar igrejas. Os relatórios dizem que as autoridades em Sichuan podem forçar a Baihua Church, um campus da Early Rain Covenant Church, de Chengdu, a fechar após uma investigação.

Um cristão de Henan chamado Huang diz que os policiais são frequentemente pressionados por seus chefes a visitar as igrejas no domingo se não tiverem folga.

Informações de um pastor anônimo detalham políticas religiosas estritas do governo que estão impactando até mesmo as igrejas associadas ao Movimento Three-Self, a rede estatal da China tecnicamente legalizada.

Essas igrejas estão sendo submetidas a vigilância constante, com funcionários até instalando câmeras de reconhecimento facial. Além disso, muitos deles devem cantar canções nacionalistas como parte de seus cultos de adoração, e indivíduos afiliados ao governo chinês pregarão propaganda do púlpito ao lado do sermão do pastor.

Estas congregações são frequentemente vistas por igrejas não governamentais como um instrumento para o governo secular, devido a esta politização continuada do campo religioso.

Segundo o pastor, menos pessoas estão se manifestando contra a perseguição como um todo, porque qualquer um que o faça enfrentará problemas. Em vez disso, “muitas pessoas se escondem e existem pacificamente”.